Relacionamento (56)

Sub-categorias

Vitrine (8)

Ao longo dos seus 20 anos de existência, a ANEPAC vem trabalhando para o fortalecimento do segmento de agregados no Brasil, dentro do cenário econômico brasileiro, através de diversas ações junto aos setores público e privado. Muito tem sido feito neste período e os resultados são inegáveis.

Pensando em intensificar ainda mais este trabalho, a entidade está promovendo um redirecionamento de suas ações comerciais que têm como objetivo o estreitamento das relações com seus públicos, especialmente associados e parceiros comerciais.

Conheça a vitrine de produtos destinados aos parceiros da ANEPAC.

Ver itens ...

Curso Ciclo do Concreto. Qual é minha responsabilidade?

 

O curso Ciclo do Concreto foi preparado para esclarecer e sensibilizar os participantes para as responsabilidades de cada profissional em todas as etapas do concreto desde à matéria-prima, produção, transporte, recebimento, lançamento/aplicação, acabamento, cura e manutenções preventiva e corretiva.

Público-alvo: Engenheiros, técnicos, mestres de obras, consultores, estudantes e profissionais de construtoras, concreteiras e indústrias de pré-fabricados ligadas às etapas do Ciclo do Concreto.

Data: 16 de setembro 2017

Local: Centro Universitário Newton Paiva - Unidade Silva Lobo - Belo Horizonte/MG

Programação:

8h – Módulo I - Matéria-prima e produção

  • Conceitos de concreto
  • Matéria-prima
  • Controle
  • Produção do concreto
  • Transporte

10h – Caffee Break

10h15 – Módulo II - Obra

  • Solicitação do concreto
  • Recepção (critérios de avaliação)
  • Lançamento
  • Adensamento
  • Acabamento
  • Cura

 12h – Encerramento

Instrutor: Jonhson Rigueira – Engenheiro civil graduado pela UFMG, mestre e doutor pela Universidade Politécnica de Valencia (Espanha). Com mais de 15 anos de experiência, nacional e internacional, já atuou nas indústrias do cimento, agregado, concreto, aditivos e pré-moldado. Diretor da Ribeiro Rigueira Engenharia e Consultoria; diretor regional do Instituto Brasileiro do Concreto – IBRACON/MG e professor de pós-graduação no Instituto IDD – Curitiba, ministrando a disciplina de Concretos Especiais.

Inscrições: https://www.sympla.com.br/ciclo-do-concreto-qual-a-minha-responsabilidade__167470

Informações: (31) 2535-7464 ou contato@a2bcomunicacao.com.br

 

Vem aí o Concrete Show 2017

O Concrete Show South America é um evento forte e consolidado que há mais de dez anos, reúne em São Paulo, a verdadeira força da construção civil mundial.

Com o objetivo de oferecer novas oportunidades e de fomentar a competitividade e o desenvolvimento do setor, o Concrete Show South America oferece ao mercado a plataforma ideal para o lançamento de novos produtos, aproximação entre empresas e clientes, vendas e networking.

 

Onde será realizado:

Centro de Exposições São Paulo Expo

Rodovia dos Imigrantes, km 1,5 - São Paulo - SP – Brasil | 04329 900

 

Informações e credenciamento:

http://www.concreteshow.com.br/pt/

Novas regras para a mineração Brasileira

 

No dia 25 de julho o governo brasileiro anunciou um pacote de três medidas provisórias que integram o Programa de Revitalização da Indústria Mineral Brasileira. Dentre as mudanças anunciadas estão a criação da Agência Nacional de Mineração (ANM) que substituirá o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), alterações nas alíquotas da Compensação Financeira pela Exploração Mineral (CFEM) e no Código de Mineração.

Alíquotas - Entre as alíquotas de minerais alteradas estão a do ferro, que poderá variar dos atuais 2%, chegando até 4%. Também as alíquotas do nióbio, diamante e ouro também subiram, aumentando de 2% para 3%, no caso dos dois primeiros minerais; e de 1% para 2%, no caso do ouro.

Os agregados para construção civil foram os únicos que tiveram redução na cobrança. O governo reduziu de 2% para 1,5% os valores cobrados por minerais de uso imediato na construção civil. O secretário de Geologia, Mineração e Transformação Mineral, Vicente Lôbo, defendeu a redução justificando que “o valor da matéria-prima é muito baixo e as indústrias são geradoras de empregos”.

CFEM - Atualmente cobrada com base na receita líquida das empresas, a CFEM passará a incidir sobre a receita bruta, e entram na conta gastos com transporte e seguro.

ANM - A Agência Nacional de Mineração (ANM) assumirá todas as funções do DNPM e atuará, também, na regulamentação do setor. O governo espera, com isso, reduzir a burocracia e aumentar a transparência e agilidade do setor minerário.

Os objetivos declarados do governo com a alteração das alíquotas são aumentar a arrecadação e melhorar a participação do setor no PIB brasileiro. “Ano passado a gente arrecadou perto de R$1,6 bilhão com o CFEM e a expectativa é que a gente possa aumentar 80% esse valor. O fato é que hoje já tem muita judicialização sobre isso, por ser cobrado em cima do faturamento líquido. Passando para o bruto, a gente traz um realismo para o setor”, defendeu o ministro de Minas e Energia Fernando Coelho Filho.

Para o presidente da Associação Nacional das Entidades de Produtores de Agregados para a Construção, Fernando Valverde as mudanças propostas para o setor de agregados foram bem aceitas pelos empresários já que questões importantes como a eliminação dos municípios no registro de licenciamento, a permanência do licenciamento com base na Lei 6567/78 e a respectiva dualidade com o regime de concessão foram mantidos. “Além disso, antigo anseio em tornar o DNPM mais ágil para melhor atender o setor mineral foi atendido com a criação da Agência Nacional de Mineração” explica Valverde.

* Com informações da Agência Brasil/EBC

Indústria brasileira volta a crescer

 

Desempenho foi influenciado pelos setores mineral (+0,7%), indústria de transformação, que se manteve estável, e eletricidade (+1,1%)

 

Depois de cinco trimestres em queda, a indústria começa a dar os primeiros sinais de recuperação. Entre o primeiro e o segundo trimestre, o setor colaborou positivamente para o Produto Interno Bruto (PIB) ao crescer 0,3%.

Os dados foram divulgados, nesta quarta-feira (31), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esse desempenho foi influenciado por três setores: extrativo mineral (+0,7%), indústria de transformação (estabilidade) e eletricidade (+1,1%).

Os dados de produção industrial também refletem essa recuperação. Entre maio e junho houve avanço de 1,1% – a quarta alta consecutiva mensal no ano. A produção de bens de capital, que são usados para fabricar outros itens, registrou alta de 2,1% em junho, o sexto avanço em 2016.

Apesar da contribuição positiva da indústria no período, o resultado do setor não foi suficiente para deixar o Produto Interno Bruto (PIB) no azul – houve queda de 0,6% no segundo trimestre do ano.

Melhora do cenário

O resultado veio dentro das expectativas do mercado financeiro. Para reverter esse movimento de queda, o governo tem trabalhado para apresentar medidas de reorganização da economia e das contas públicas.

Entre elas está a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241, que cria um limite para a expansão dos gastos públicos. Depois de aprovada, ela vai devolver a confiança à economia brasileira, o que vai tirar mais investimentos da gaveta e, partir daí, será possível gerar emprego e renda.

Produção industrial

Fonte: Portal Brasil

Governo anuncia investimento em infraestrutura

 

O governo federal anunciou hoje (7) 55 novos projetos de concessão de terminais portuários, linhas de transmissão, ferrovias e rodovias, com investimentos estimados em R$ 45 bilhões. Os projetos fazem parte das segunda carteira de projetos do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI).

O governo vai iniciar no ano que vem os estudos para licitar novamente as rodovias Nova Dutra (BR-116/RJ/SP), BR-116/RJ, da CRT (Rio-Teresópolis) e Concer (BR-040/MG/RJ). Os trechos, que totalizam 725 quilômetros, estão atualmente concedidos, e os contratos terminam em março de 2021. A ideia é que as novas licitações tenham contratos modernos e com foco na prestação de serviços adequados aos usuários.

O ministro dos Transportes, Maurício Quintella, disse que os contratos vigentes das rodovias serão respeitados até o fim da concessão. “O contratos serão respeitados, não haverá passivo no período final das negociações. Serão licitações novas, para o período pós, até o final do período de concessão. O governo decidiu que não insistirá mais na ideia de prorrogação mediante novos investimentos no caso dessas três rodovias, que são as principais concessionárias do país.”

Também serão concedidos à iniciativa privada 211 quilômetros da BR-101, em Santa Catarina, com leilão previsto para o primeiro semestre do ano que vem.

Ferrovias

No setor ferroviário, o governo vai autorizar que cinco ferrovias já concedidas entrem no processo de renovação antecipada de contratos, em troca de investimentos. As ferrovias são a Estrada de Ferro Carajás (Pará e Maranhão), a Estrada de Ferro Vitória-Minas, a FCA (Centro-Oeste e Sudeste), a ALL – Malha Paulista e a malha da MRS, que passa por Minas Gerais, pelo Rio de Janeiro e por São Paulo.

Esses cinco trechos somam 12,6 mil quilômetros de extensão, movimentam cerca de 457 milhões de toneladas de cargas e representam mais de 90% do fluxo total de cargas por ferrovias no Brasil. Os investimentos previstos nos próximos cinco anos são de R$ 25 bilhões.

Transmissão

Na área de energia, serão licitados 35 lotes de linhas de transmissão e subestações de energia elétrica, em 17 estados. O leilão está ocorrer no primeiro semestre deste ano, e o investimento previsto é de R$ 12,8 bilhões. O objetivo é interligar as regiões que hoje não estão assistidas pela rede do Sistema Interligado Nacional.

Saneamento

Na área de saneamento, está prevista a desestatização dos sistemas de distribuição de água, coleta e tratamento de esgoto em 1.786 municípios em 14 estados: Acre, Amapá, Santa Catarina, Alagoas, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Sergipe, Bahia, Piauí, Tocantins e Amazonas.

A presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Maria Silvia Bastos, explicou que ainda não há valores de investimentos previstos para a área de saneamento, porque ainda estão sendo contratados estudos para definir qual modelo de concessão será adotado em cada estado.

Portos e aeroportos

Nessa segunda etapa do PPI, quatro terminais portuários serão concedidos, nos portos de de Santana (PA), Itaqui (MA) e Paranaguá (PR). Também haverá a renovação de contratos, nos portos de Santos (SP), Vila do Conde (PA) e Niterói (RJ).

Não há previsão de concessão de novos aeroportos à iniciativa privada nessa segunda etapa do PPI. Quintella lembrou que o governo já concedeu seis aeroportos, e haverá o leilão de mais quatro no dia 16 de março (Porto Alegre, Salvador, Florianópolis e Fortaleza). “Os estudos mostraram que seria mais prudente por parte do governo parar neste momento e estudar a sustentabilidade do sistema. É fundamental que a Infraero [Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária] se recupere, seja sustentável”, disse o ministro.

Primeira leva

Em setembro do ano passado, foi apresentada a primeira leva de concessões do PPI, com 35 projetos nos setores de aeroportos, portos, rodovias, ferrovias, petróleo e gás, mineração, energia e saneamento. Desde então, foram assinados três contratos e lançados sete editais de concessão e arrendamento. Até o fim deste ano, estão previstos mais de 20 leilões no âmbito do PPI.

 

Fonte: EBC - Agência Brasil

Missão Empresarial à Europa

 

 

Untitled 1

Brasileiro desenvolve software para modelagem geológica e geoestatística.

 

O professor Dr. Jorge Kazuo Yamamoto, referência no ensino e aplicação de Geoestatística, professor titular aposentado da USP, desenvolveu o Geokrige, um sistema integrado para modelagem geológica e geoestatística de recursos minerais. Segundo o professor, o sistema permite obter resultados de forma simples e rápida.

O Geokirke tem um visualizador  de objetos 3Dcom renderização instantânea de modelos tridimensionais com milhões de blocos e diversas outras opções para a verdadeira análise tridimensional da mineralização. Através de um fluxo de trabalho dinâmico e interface favorável, o sistema tem como objetivo facilitar a vida de usuários ao garantir eficiência e produtividade por um preço acessível, além de ser considerado mais competitivo que os produtos concorrentes. O Geokrige une inúmeras funcionalidades em uma única plataforma que hoje demandam a contratação de mais de um software.

Os interessados podem adquirir a licença do software online, no site www.geokrigagem.com.br ou entrar em contato com a empresa e agendar uma apresentação presencial na sede da empresa, localizada em São Paulo. 

 

Fonte: Site Brasil Mineral

Vem aí a EXPOSIBRAM 2017.

 

Com mais de 50 mil visitantes e 500 expositores, a Exposição Internacional de Mineração (EXPOSIBRAM) e o Congresso Brasileiro de Mineração reúnem, a cada dois anos, centenas de empresários, representantes de organizações governamentais e privadas em um só lugar. Em 2017, os eventos entrarão em sua 17ª edição, que será realizada de 18 a 21 de setembro, em Belo Horizonte (MG), pelo Instituto Brasileiro de Mineração - IBRAM

Considerada uma das maiores exposições de mineração da América Latina, a EXPOSIBRAM conta com 13 mil m² de estandes, nos quais estão representadas as principais mineradoras com atuação global e grandes fornecedores de produtos e serviços. No espaço, serão apresentadas as principais novidades em tecnologia, equipamentos, softwares e outros produtos ligados à Indústria Mineral, além de dados sobre investimentos e gestão.

Realizado em paralelo à Exposição, o Congresso Brasileiro de Mineração atrai mais de mil participantes entre especialistas, pesquisadores, estudantes e representantes de empresas. Na programação estão palestras e debates sobre o contexto político e socioeconômico global, bem como as perspectivas dos negócios para as próximas décadas anunciadas pelas mineradoras.

Mais informações; www.ibram.org.br

CONEXPO-CON/AGG 2017.

A CONEXPO-CON/AGG, um dos maiores eventos da Indústria da Construção no mundo, abrirá novamente suas portas no Las Vegas Convention Center de 7 a 11 de março de 2017.

A CONEXPO-CON/AGG 2017 conta com a presença de 2.500 expositores de todos os setores da indústria daconstrução, incluindo asfalto, agregados, concreto, terraplenagem, elevação, mineração e muito mais. Com mais de 130.000 membros, representantes e tomadores de decisão da indústria da construção, nenhuma outra feira reúne mais setores da indústria do que a CONEXPO-CON/AGG.

Visitantes de todo o mundo encontram na CONEXPO-CON/AGG novas soluções e produtos para melhorar a eficiência e a rentabilidade de seus projetos de construção.

Para mais informações: http://www.conexpoconagg.com

 

 

EXPOSIBRAM 2017.

Com mais de 50 mil visitantes e 500 expositores, a Exposição Internacional de Mineração (EXPOSIBRAM) e o Congresso Brasileiro de Mineração reúnem, a cada dois anos, centenas de empresários, representantes de organizações governamentais e privadas em um só lugar. Em 2017, os eventos entrarão em sua 17ª edição, que será realizada de 18 a 21 de setembro, em Belo Horizonte (MG), pelo Instituto Brasileiro de Mineração - IBRAM

Considerada uma das maiores exposições de mineração da América Latina, a EXPOSIBRAM conta com 13 mil m² de estandes, nos quais estão representadas as principais mineradoras com atuação global e grandes fornecedores de produtos e serviços. No espaço, serão apresentadas as principais novidades em tecnologia, equipamentos, softwares e outros produtos ligados à Indústria Mineral, além de dados sobre investimentos e gestão.

Realizado em paralelo à Exposição, o Congresso Brasileiro de Mineração atrai mais de mil participantes entre especialistas, pesquisadores, estudantes e representantes de empresas. Na programação estão palestras e debates sobre o contexto político e socioeconômico global, bem como as perspectivas dos negócios para as próximas décadas anunciadas pelas mineradoras.

Mais informações; www.ibram.org.br

Publicidade

Associe-se

Conheça as vantagens para se tornar um associado da ANEPAC.

Cadastre-se

Acompanhe as novidades e ações da ANEPAC.